http://www.cinemista.com.br/wp-content/uploads/2012/12/as-aventuras-de-pi-suraj-sharma-pi.jpg

As Aventuras de Pi – Crítica

 

★★★★☆

Digerindo uma perspectiva sobre crenças

Se tem uma coisa que não podemos dizer, é que Ang Lee seja um péssimo diretor. O cara sabe o que está fazendo, apesar de nem sempre escolher os melhores projetos. Talvez Pi seja sua redenção nesse caso, já que fanboys pelo mundo o amaldiçoam desde seu Hulk com cachorros radioativos e ele tem se mantido afastado desde Brokeback Mountain. Agora vamos a outro oposto, um filme de bela fotografia, cheio de simbolismo em cada quadro do filme e muita reflexão sobre profundas questões do ser humano, disfarçado de discussão religiosa. Esse é o curto retrato das Aventuras de Pi.

As Aventuras de Pi - Suraj Sharma, Pi

Pi é um garoto que cresce e passa sua vida em um zoológico, sendo influenciado ao longo de sua vida por diversos tipos de pessoas, até que é forçado a se mudar para o ocidente com sua família e colocar a venda os animais com os quais cresceu. Em um acidente marítimo no caminho, se vê as voltas com um bote salva vidas, alguns animais e um tigre que vai acompanha-lo em uma jornada mais do que singular, da qual ele sairá uma pessoa totalmente diferente em relação a Deus e o mundo.

As Aventuras de Pi - Ang Lee

Ok, posso ter enfeitado a sinopse, porque se dissesse que boa parte do filme é sobre um garoto e um tigre em um bote salva-vidas, não faria justiça ao roteiro fantástico de David Magee, baseado no romance do espanhol Yann Martel. Ang Lee finalmente acerta na escolha de seu projeto com um grande blockbuster, sucesso de público e crítica. Um trabalho primoroso que pode talvez irritar alguns pela sua longa narrativa, um ritmo um pouco diferente, mas muito mais humano, de se se contar histórias. Lee não economizar tempo em trabalhar seus personagens e, principalmente, não trata seus espectadores como imbecis.

As Aventuras de Pi - Suraj Sharma como Pi

Outro ponto fortíssimo foi ter usado, em grande maioria, atores totalmente desconhecidos, tirando Gérard Depardieu em sua pequena ponta e o especialista em interpretar vilões, Irrfan Khan, dessa vez interpretando o adulto protagonista, de forma bem diferente e carismática. O show fica por conta do jovem Suraj Sharma, que realmente conduz muito bem o personagem principal em sua fase mais complicada. Muito parabéns a todos os envolvidos, inclusive o pequeno papel de Rafe Spall, que representa o espectador da história no papel do curioso escritor.

As Aventuras de Pi

A verdade é que, no âmago, As Aventuras de Pi se apresenta como um drama de discussão religiosa, mas aborda muito mais os dramas humanos filosóficos em sua simbologia, sobre como nos enxergamos e como enxergamos o nosso mundo, nossas vidas e suas questões mais primárias: sobrevivência, mortalidade e destino. Algo tão profundo fica tão bem construído em uma narrativa, que oferece duas alternativas, tendendo para um lado e tentando mostrar que o sentido de tudo é dado não por quem conta, mas por quem receba qualquer estória. Ao final, o filme não vai fazer uma daquelas insultantes recaptulações estilo M. Night Shyamalan, para que os espectadores incautos pensem “aaaah, então foi isso?”. Nada descarado, pelo menos. Não, ele vai deixar você digerir muito bem o filme em sua casa e deixa-lo pensar em sua real mensagem, sobre como nós damos o significado a nossas vidas e não o que as pessoas esperam de nossas vidas.

As Aventuras de Pi - Suraj Sharma

Complicado explicar o filme sem grandes spoilers, pois toda a narrativa é um bloco só de peças que se encaixa em um todo maior, de escolhas e profundidade. Não é para todos, mas vai agradar, pelo menos em algum aspecto, muitos. É uma contemplação silenciosa – ou para o casal imbecil na poltrona próxima, uma oportunidade para risadas histéricas e conversas desnecessárias – em cima de uma belíssima e divertida obra audiovisual que vai lhe fazer rir, chorar e pensar ao mesmo tempo. Então está mais do que recomendado, com ressalva do tempo de edição gasto pelo autor trabalhando e estabelecendo o conto.




Comentários

  1. Concordo, filme simples, lindo e com uma meensagem além de nossas explicações. Deus é fiel.

  2. Grace Ane disse:

    filme maravilhoso ainda mais de se perceber areal historia por tras éum filme emocionante como eu disse eu pagaria pra vê-lo novamente

})(jQuery);