http://www.cinemista.com.br/wp-content/uploads/2014/03/branquelas-1050x572.png

Pessoas que gostam de As Branquelas – Opinista

Algumas pessoas dizem ter trilhas sonoras em suas vidas, aquela mA?sica que marca um momento importante, uma viagem ou que te lembra alguA�m. Apesar de nA?o saber viver sem mA?sica, acredito que minha vida A� marcada principalmente pela sA�tima arte.

Os filmes que vocA? assiste sA?o marcadores de etapas da sua vida: a primeira ida ao cinema para assistir Lua de Cristal ou Cavaleiros do ZodA�aco, a primeira barrada na porta do mesmo cinema por estar abaixo da classificaA�A?o etA?ria requerida para ver PA?nico, e por aA� vai.

Quem nunca assistiu a um filme escondido dos pais? Aquela rA?pida mudada de canal na cena picante de Richard Gere e Julia Roberts em cima do piano em Uma Linda Mulher, ou entA?o assistir O Exorcista na casa da amiga e morrer de medo na hora de dormir.

E os A�dolos da adolescencia? Os posteres do Leonardo DiCaprio na parede do quarto, ver Romeu e Julieta tantas vezes a ponto de decorar todas as falas. Isso na minha geraA�A?o, mas vale o mesmo para o Tom Cruise se vocA? tem mais de 30, ou o Robert Pattinson se vocA? tem menos de 20.

A minha maior influA?ncia nesse assunto foi minha irmA? mais velha. Com ela assisti Laranja MecA?nica aos 11 anos, A Liberdade A� Azul aos 12, Tudo Sobre Minha MA?e aos 13, e a partir daA�, com a internet, filmes da EstA?nia com legendas horrA�veis ganharam lugar cativo na minha vida.

Foi aA� que comecei a perceber como o cinema e as minhas preferA?ncias dentro dessa arte diziam muito sobre quem eu era. Assim como a mA?sica, o gA?nero do filme que vocA? mais gosta diz muito sobre sua personalidade e seu estado de espA�rito no momento. NA?o que vocA? queira ser um super herA?i porque gosta de Homem Aranha, ou que queira sair atirando em todo mundo porque gosta de MA?quina MortA�fera, nA?o A� tA?o simples assim, claro. Se fosse assim eu estaria num hospA�cio usando drogas, escrevendo diA?rios sentimentais e obscuros em francA?s.

Sempre me refiro ao filme As Branquelas para exemplificar o estilo que nA?o me agrada, e isso gera algumas discussA�es (geralmente saudA?veis). Mas por que esse filme? VocA? pode pensar que eu sou do tipo “esse filme iraniano em preto e branco com 4 horas de duraA�A?o A� meu, sA? meu!”, mas nA?o: eu tento divulgar meus filmes preferidos, empresto DVDs para quem tiver interesse. EntA?o me pediram para assistir Laranja MecA?nica, emprestei o DVD e ouvi por cinco anos o quanto o filme era horrA�vel e ridA�culo, em tom de gozaA�A?o. NA?o discuti, mas a partir daA� comecei a dividir os amigos em quem gostava ou nA?o de As Branquelas, que era um filme que a pessoa em questA?o gostava e eu detestava. Essa divisA?o nA?o serve para decidir quem A� amigo e quem nA?o A�, mas para que eu saiba o assunto e o local apropriado para aquele amigo. Esquisito? NA?o, todo mundo faz isso, sA? talvez nA?o tA?o racionalmente.

Assim o cinema deixa sua marca na vida das pessoas, seja por ter assistido aquele filme com o namorado que jA? virou ex, por te lembrar da sua infA?ncia, pelo momento divertido que ele ocasionou naquela reuniA?o de amigos, ou apenas por ter mostrado um outro ponto de vista que fez vocA? parar para pensar.

EntA?o se vocA? lA? isso hoje A� porque de algum modo o cinema juntou pessoas com interesses em comum e as levaram a ir alA�m: compartilhar esses interesses com o resto do mundo, criando amizades, dividindo o conhecimento, incentivando discussA�es, gerando ideias novas.

Mas e aA�? VocA? estA? em qual time: mA?sicas ou filmes? E o mais importante (sqn): vocA? gosta de As Branquelas? 😉




})(jQuery);