http://www.cinemista.com.br/wp-content/uploads/2011/06/piratas4_01-e1306990554814.jpg

Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas – Crítica

Poster

★★★★☆

Jack is Back

Talvez o personagem mais inesperadamente amado pelo público mundial que frenquenta as salonas não pudesse imaginar, nem em seu sonhos mais loucos, onde estaria hoje. Passando de uma rápida participação em um filme, para protagonista de uma triologia e personagem mais do que principal em uma nova triologia, Jack Sparrow está de volta, com novos personagens e um arco de histórias totalmente novo. Com certeza, é sempre divertido Johnny Depp sendo anti-herói, mas existem realmente novidades ou não nessa franquia? A resposta é “sim”.

Johnny Depp

Jack está de volta… e recauchutado.

Em Navegando em Águas Misteriosas, Jack Sparrow está continuando exatamente de onde parou, na sua busca pela Fonte da Juventude, descoberta por Poncé de Leon. No caminho, ele acaba se esbarrando em velhos “amigos” como o Capitão Barbosa e outros “novos conhecidos” como a pirata Angélica, mas sem dispensar grandes perigos como sereias, zumbis e até o mais temido dos piratas, Barba Negra. Entre desventuras e  perigos, Jack será testado enquanto tenta encontrar seu maior prêmio de todos, a vida eterna.

Rob Marshall, Johnny Depp e elenco

Rob Marshall e seu grande desafio: não fazer um musical

O “novato” na franquia, Rob Marshall, se aventura realmente em Águas Misteriosas. Seus últimos sucessos sendo musicais, com certeza Piratas 4 foi um tiro no escuro, mas que deu bastante certo. Em questão da parte técnica, foi até bem sucedido, mesmo com a escolha de elenco e como foi trabalhado. Talvez seja uma nova boa parceria com a franquia, mas não sabendo se foi sua idéia ou do estúdio, transformou Jack em alguém visualmente menos nojento e mais galante. Fora isso, é um trabalho diretorial muito respeitável. Talvez não tão respeitável seja o trabalho de Ted Elliott e Terry Rossio. Tendo mudado completamente a dinâmica dos persoangens, transforma Barbosa em  um “quase vilão” e o Capitão “José Pardal” em um herói mais do que altruísta e sensível. Uma parte da graça se perde aí, além de alguns argumentos fracos, como a participação dos espanhóis na película. Vejam e entendam…

Astrid Berges-Frisbey

Sereia tem poucas falas, mas rouba a cena. Belíssima.

O elenco foi muito bem destacado. Depp dispensa elogios. Ian McShane sempre se prova um bom vilão, com toda a pompa e até um certo vigor cômico. Penélope Cruz funciona mais como colírio para os olhos do que atuação exemplar. Talvez o papel não tenha ajudado. Muito caricata. Geoffrey Rush é A surpresa grata do filme ficam pelos novos companheiros ridículos, como Scrum, interpretado pelo desconhecido Stephen Graham. A maior surpresa do filme fica pela atriz de origem hispânica e carreira francesa, Astrid Berges-Frisbey. Linda, emocionante e carregando muita leveza e simplicidade na sua atuação como a sereia capturada. Convence e comove.

Ian McShane

McShane: sempre o vilão, nunca a mocinha.

O filme em toda uma nova dinâmica, mas o elemento principal permanece. O que atrai nesses filmes de piratas, é que esses “criminosos” – muito mais bonzinhos que os reais – são o ícone da liberdado no nosso mundinho moderno globalizado. Vão aonde quere, fazem o que querem e não seguem conveções sociais. Dito isso, o enredo tinha muito mais potencial do que como foi explorado e a mudança da dinâmica dos personagens pode ser bem vista por uns e mal aceita por outros, mas no geral a película é uma das mais divertidas do momento, especialmente levando em consideração toda a história que alguns dos persoangens acumularam e o quanto a franquia tem potencial. Algo épico para os próximos filmes é aguardado e o quinto pode demorar, mas definitivamente está nos planos de Jerry Bruckheimer, gênio por trás da produção.

Penélope Cruz

A Pê é uma das mais lindas, mas ficou meio apagadinha na interpretação

Não fosse pelo péssimo aproveitamento dos espanhóis no filme, o filme não tem grandes falhas e merece ser visto. O 3D por outro lado é pouco ou nada recomendável já que temos quase nenhuma sequência que possa se valer do recurso. Aproveitando as várias salas com a versão 2D tradicional da película, recomenda-se muito mais do que gastar dinheiro a toa e colocar aqueles péssimos óculos. De resto, boa nota para Pardal e sua gangue.

Johnny Depp e Geoffrey Rush

Dupla Dinâmica junta novamente




Comentários

  1. Engraçado..o resumo desse filme não me deixou mt animada em vê-lo não.Mas, vou vê-lo mesmo assim e ver se concordo com sua crítica.
    Bj.

    P.S:Parabéns!Seu blog está mega super organizado e interessante!

    1. Fernando Quirino disse:

      Valeu pela visita e assiste, depois me fala. Sou fã de piratas e assuntos relacionados. =] Mas, se assistiu os outros, esse vai ser ótimo sem medo. Senão, bom assistir pra confirmar.

})(jQuery);